Segunda-feira, 15 de Fevereiro de 2010
Sobre Tiago Bettencourt (IV)

Tiago Bettencourt decidiu voltar à ribalta e lançar uma nova tentativa musical chamada "Só mais uma volta". Neste novo registo, e ao seu bom estilo repisado, Tiago consegue a proeza de proferir 14 vezes "Só mais uma volta, só mais uma vez" numa canção de 3 minutos e 51 segundos. Infelizmente ainda não foi desta que as 20 vezes de "Fazes muito mais que o sol" foram destronadas da tabela bettencourtiana. É com tristeza que vejo Tiago receber apenas a medalha de prata em musicalidade redundante, uma das únicas modalidades onde outrora triunfou majestosamente.



publicado pelo Escarnecedor às 17:11
link do escárnio | reclamar | ver reclamações (1) | favorito

Quinta-feira, 11 de Fevereiro de 2010
Sobre as agressões artísticas

Um dos hábitos humanos mais insuportáveis em locais públicos acontece quando certas pessoas fazem questão de partilhar o seu conhecimento lírico e as suas capacidades vocais acompanhando a música que naquele momento se ouve nos altifalantes do shopping. Se um profissional da área já se encarregou previamente da composição, produção e edição da peça musical em questão, não vejo qualquer necessidade de haver uma tentativa de agressão artística por parte de amadores que estão apenas de passagem.



publicado pelo Escarnecedor às 09:49
link do escárnio | reclamar | favorito

Domingo, 7 de Fevereiro de 2010
Sobre o Parlamento

Enquanto atravessava um momento acabrunhado da minha vida, resolvi assistir a um dos debates quinzenais do Parlamento. Após se ter verificado um intercâmbio de extenso palavreado infecundo, surgiu um clímax inesperado quando um deputado da oposição exigiu falar em defesa da sua honra pessoal porque foi utilizada uma palavra naquela sala que lhe feriu a sensibilidade humana. Esta intervenção abre, desde logo, um grave precedente que poderá vir a acentuar a frequência de querelas linguísticas no seio da Assembleia da República:

«Senhor Presidente, senhores deputados, em nome da minha bancada pretendo repugnar severamente as pausas que o Senhor Primeiro-ministro empregou durante o seu discurso. É absolutamente lamentável que um Primeiro-ministro de Portugal tenha de recorrer a interrupções de 2 segundos entre proposições para poder articular a sua dissertação. Fique sabendo, Senhor Primeiro-ministro, que este tipo de esquema oratório não é digno de um país que se diz democrático. Os portugueses não têm o direito de esperar tanto tempo para saberem como vai terminar uma frase».



publicado pelo Escarnecedor às 20:34
link do escárnio | reclamar | ver reclamações (1) | favorito

Outubro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


pesquisar
 
últimos 20 escárnios

Sobre a Ideia Casa

Sobre o verão

Sobre o tuning feminino

Sobre os comentadores pol...

Sobre as modas

Sobre os sanitários públi...

Sobre as pessoas que gost...

Sobre as «Sluts»

Sobre os corta-unhas

Sobre Tiago Bettencourt (...

Sobre os desconhecidos

Sobre os nomes próprios (...

Sobre as agências de viag...

Sobre o "Capisce"

Sobre Cavaco Silva (III)

Sobre a prostituição

Sobre a imprensa cor-de-r...

Sobre o "Cólicêça"

Sobre as informações de t...

Sobre Tiago Bettencourt (...

arquivos

Outubro 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Abril 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

subscrever feeds
e-mail

escarnecedor@sapo.pt