Quarta-feira, 13 de Fevereiro de 2008
Sobre o estilo Emo
Se por exemplo alguém nos apresenta um amigo, nesse preciso momento torna-se habitual e quase obrigatório realizar algum tipo de interacção social, tal como um aperto de mão, como forma de demonstrar simpatia e prazer em conhecer, ainda que seja tudo geralmente uma fachada falsa. Mas a situação verdadeiramente desafiante, que não deveria ser desejada nem aos nossos piores inimigos, ocorre quando essa pessoa que nos está a ser apresentada é um(a) Emo. Há várias etapas do processo a considerar. Em primeiro lugar é necessário ultrapassar o mais rapidamente e da melhor forma possível o choque estético inicial, ainda que seja sempre penoso tentar ignorar as cinco linhas de eyeliner preto, os ferros espetados no lábio inferior e o cabelo preto-alcatrão oleosamente colado à testa. Os escassos segundos seguintes terão que ser sabiamente utilizados para identificar o género da espécie, neste caso se é macho ou fêmea, pois não queremos dar dois beijinhos na face de um suposto homem. E esta revela-se a etapa mais inatingível do processo. Um dos truques seria pesquisar a olho nu o queixo do indivíduo em busca de capilares pélvicos com vista a determinar se é macho, no entanto o índice de Emos masculinos com resquícios de pêlo facial é tão reduzido que torna este truque inútil à partida.
Outro método seria obrigar, de alguma maneira, que a espécie abrisse a boca e proferisse algumas palavras. Isto possibilitaria, caso esta cooperasse e fornecesse uma resposta, escutar o timbre vocal do indivíduo e assim obter uma probabilidade mais concisa relativamente ao sexo dessa pessoa. No entanto os dados obtidos através da audição do timbre vocal necessitam sempre de serem cruzados com outras informações com vista a uma decisão precisa.
Quando todo o processo está concluído podemos avançar então com uma atitude comportamental para um cumprimento adequado. Contudo, o tempo decorrido em todo este procedimento, desde o momento do primeiro choque visual até ao nosso cumprimento, não poderá ultrapassar os cinco/sete segundos, daí esta relação estímulo-comportamento no que toca a Emos continuar a ser matéria para profissionais.


publicado pelo Escarnecedor às 01:32
link do escárnio | reclamar | favorito

2 reclamações:
De CaT cLaWs a 16 de Abril de 2008 às 18:13
tambem ne bem assim, nem toda a "especie" emo é assim, tas ser mauzinho!!!
p.s. eu nao sou emo


De Rita a 20 de Abril de 2008 às 21:59
concordo perfeitamente! é a realidade. O que acontece é por se esforçarem tanto por ser diferentes, acabam por se tornar bastante ridiculos.


Comentar reclamação

Outubro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


pesquisar
 
últimos 20 escárnios

Sobre a Ideia Casa

Sobre o verão

Sobre o tuning feminino

Sobre os comentadores pol...

Sobre as modas

Sobre os sanitários públi...

Sobre as pessoas que gost...

Sobre as «Sluts»

Sobre os corta-unhas

Sobre Tiago Bettencourt (...

Sobre os desconhecidos

Sobre os nomes próprios (...

Sobre as agências de viag...

Sobre o "Capisce"

Sobre Cavaco Silva (III)

Sobre a prostituição

Sobre a imprensa cor-de-r...

Sobre o "Cólicêça"

Sobre as informações de t...

Sobre Tiago Bettencourt (...

arquivos

Outubro 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Abril 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

subscrever feeds
e-mail

escarnecedor@sapo.pt

twitter

http://twitter.com/escarnecedor